Quero seguir esse blog!

sábado, 24 de março de 2012

INDISCRIÇÕES DO OLHAR - releitura visual do filme AMARCORD de Fellini

AMARCORD

A escolha de Amarcord para fazer uma releitura visual-conceitual foi motivada pela grande extensão de questionamentos humanos que o filme faz. A maneira italiana de encarar a vida esta muito enraizado no nosso modus vivendi, faz com que pensemos em nos mesmos. A infância, a família, a escola, a velhice, a politica, as brincadeiras, as festas, as mulheres, etc. A convivência em família e sociedade são vistos por Fellini de maneira jocosa, mas será que é só isso?  O ângulo focado por Fellini é a própria caricatura, a realidade é assim. O que nos mobiliza? Nossos anseios, nossas fraquezas, nossos instintos latentes por detrás do jogo das relações? A realidade é assim, não é esse repertorio de boas intenções que fundaram em nos pela educação que recebemos. Nossos impulsos, nossa vísceras em grande parte se impõe a nossa razão.
A maneira inédita também de Fellini fazer o roteiro do filme, onde a ordem cronológica é desprezada em virtude da ordem caótica da memória, que vai buscando no passado aleatoriamente as recordações no enredar das situações ou de acordo com o prazer do momento de quem esta recordando.
As várias cenas guardadas em sua memória transformadas em filme são um misto do insólito do dia a dia dessa alma latina que coloca as emoções a frente da logica e das convenções criadas pelos homens misturadas com fantasia, ou seja a vontade desse mesmo homem de escapar dessa realidade crua, transformando-a em algo mais poético. Cenas como a do cego que toca incansavelmente seu acordeom transformando-se numa maquina de gorjeios; do tio que sai do sanatório e vai com a família dar uma volta no sitio e não sai mais de cima da arvore pedindo por uma mulher; a perseguida Gradisca, uma balzaquiana de curvas perfeita;  o nono quando sai à porta de casa numa manhã de forte nevoa, dando-se por perdido após poucos passos da porta de sua casa, fazendo-se sentir no mais absoluto nada: “nem gente, nem arvores, nem, pássaros, nem vinho!”, ao passar alguém pergunta desesperado: “onde estou”, o qual responde “na porta de sua casa” - A vida as vezes é essa nevoa e perguntamos onde estamos e o que estamos fazendo aqui, nos sentindo num vazio absoluto, fazendo-nos questionar nossas vidas. E muitas outras cenas que, de certa maneira, nos servem de espelho ao puxar nosso fio de recordações.

A proposta de releitura do filme foi feita para o grupo formado pelo Atelie Miguel Ângelo, que adotou o nome de YES ART e que nessa exposição apresentam trabalhos de Semiramis Rocha, Sonia Albulquerque, Francesco Segneri e Miguel Angelo.

Em exposição no Espaço Cultural Bauhaus a partir do dia 29 de março.
Rua Mariana Junqueira, 623 - Centro- Ribeirão Preto -SP







INDISCRIÇÕES DO OLHAR - de 29 de março a 16 de abril - Espaço Cultural Bauhaus

A proposta desta exposição é a de levar, ao publico apreciador de arte, obras que foram criadas tendo como origem um processo de criação diferenciado, onde o acaso e o espontâneo estão presentes, intercorrente de varias situações inusitadas, transformadas em obras que propõem a recriação de conceitos, que ora questiona a forma, ora o pensamento, ora os objetos, o estado da matéria, e o próprio fazer artístico brincando com conceitos da História da Arte. Muitas vezes a ideia da criação acontece por associação de materiais, do cruzamento de conceitos, da ironia de situações. Não tem como objeto primeiro a pintura de cavalete, podendo até ser usada a técnica, auxiliando na estruturação da ideia, mas sendo a ideia em si o principal. Seguindo no mesmo olhar e atitude criativa as demais mídias apresentadas na exposição. Essa exposição é frutos de pesquisas permanentes que nosso fazer artístico diário provoca.